Passar para o Conteúdo Principal Top

Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d'Arcos Ponte de Lima

Paisagem Protegida das Lagoas_v2

Projetos Concluídos

Projetos de Âmbito Municipal

  • Projeto “Criação de Espaços Ciência Divertida” (2012-2015)

    A criação de Espaços Ciência Divertida na totalidade dos 12 Centros Educativos/Escolas Básicas do concelho, resultou de um trabalho de parceria desenvolvido entre a Área Protegida e as várias instituições de ensino que permitiu identificar e apetrechar uma sala que visa promover a difusão da cultura científica e tecnológica através da observação e experimentação, com ganhos na qualidade da educação, encontrando-se direcionados, tendo em consideração os recursos, as experiências e os conteúdos disponibilizados, para temas como a água, a geologia, o corpo humano, o sistema solar e a biodiversidade.

     

    • Custo Total: 30.525,00€
  • Projeto "Arborização do Parque Florestal da Quinta de Pentieiros" (2012-2013)

    O Projeto “Arborização do Parque Florestal da Quinta de Pentieiros”, aprovado e cofinanciado pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), permitiu a realização de ações de limpeza e preparação de cerca de 13ha de terreno na área florestal da Quinta de Pentieiros que, seguidamente, foram alvo de arborização com espécies de folhosas de madeira nobre.

     

    • Custo total elegível: 22.016,12€
    • Comparticipação FEADER: 13.209,67€
  • Criação de Microunidade de Produção de Sidra

    Os trabalhos desenvolvidos pelo Município de Ponte de Lima, através da Área Protegida, na tentativa da recuperação da tradição da produção e do consumo de sidra em Ponte de Lima, foram iniciados em 2005 tendo sido, nesse mesmo ano e nas Feiras Novas, as maiores festas do concelho de Ponte de Lima e uma das maiores, senão a maior, romaria do país, disponibilizados e esgotados cerca de 2000 litros de sidra a granel, servida à pressão.

    Atenta ao sucedido, a Área Protegida, deu os primeiros passos, já em 2006, no sentido da concretização de um projeto que detinha como principal objetivo a criação de uma nova fonte de receita para os agricultores locais, assim como da divulgação do concelho, da Área Protegida e da própria sidra e ainda, da preservação e valorização das variedades regionais de macieira, para a qual foi instalado um pomar, na Quinta de Pentieiros, que reúne, na atualidade, cerca de 70 variedades de maçã.

    Para o efeito, com certeza de que o contributo a gerar seria tanto maior, quanto maior fosse a quantidade de matéria-prima (maçã) utilizada, tornava-se imprescindível a obtenção de sidra estável que permitisse a sua disponibilização por um período de tempo superior ao período das Feiras Novas e, como consequência direta, um aumento do período de consumo e do número de consumidores.

    Neste quadro, mantendo-se disponibilização da sidra a granel em todas as edições das Feiras, foi no decorrer do ano de 2011 que, com o apoio de um enólogo, foram realizados os testes que permitiram obter a Sidra Lagoas, um produto estável, com uma durabilidade próxima dos 18 meses.

    Assim sendo, tendo em consideração os resultados alcançados e o elevado grau de satisfação da esmagadora maioria daqueles que provaram a Sidra Lagoas, foi imediatamente realizado, pelo Município de Ponte de Lima, um investimento do qual viria a resultar a criação da microunidade de produção de sidra nas antigas instalações da Cooperativa de Estorãos.

    As condições presentes no espaço, câmara frigorífica, cubas, prensas entre outros equipamentos, bem como a experiência e o conhecimento adquiridos, permitiram melhorias significativas na qualidade da sidra produzida e, na sequência da colheita de 2012, foram reservados 1000 litros de sidra que serviram de base à criação, com enorme sucesso, do espumante de Sidra Lagoas.

    Seguiram-se os trabalhos de criação da Casa da Sidra, na Quinta de Pentieiros, com o objetivo de divulgar o processo de produção da bebida e de proporcionar provas de sidra, e o desenvolvimento de esforços para aumentar a produção e a consequente comercialização da bebida, no sentido de serem alcançados os melhores resultados possíveis ao nível dos pressupostos definidos para o projeto.

    Devido a limitação legais, relacionadas com o facto do projeto estar a ser liderado por uma entidade pública, o que levantou fortes condicionalismos, e beneficiando do apoio, ao nível de instalações e dos equipamentos e dos conhecimento imprescindíveis à transformação da maçã e à produção da sidra, que a Área Protegida tinha concedido a três jovens, no âmbito de uma candidatura em que as mesmas pretendiam avaliar da viabilidade desta ideia de negócio, são cedidas, via projeto do Município de Ponte de Lima “Terra Incubadora”, em 2015, as instalações da Cooperativa de Estorãos, onde atualmente duas das três jovens têm sedeada a empresa Monte e Araújo que se dedica à produção da Sidra Corrupia.

    Por razões óbvias foi interrompida a produção da Sidra Lagoas que, no entanto, 10 anos depois, não só cumpriu, na perfeição, a sua missão, como, também, foi capaz de gerar uma seguidora.

     

    • Custo total: 27.525,00€
  • Projeto "Cerquido: Aldeia entre a Serra e a Veiga" (2011-2012)

    O Projeto “Cerquido: aldeia entre a Serra e a Veiga”, aprovado e cofinanciado pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), permitiu a criação de um centro de interpretação do território dos seus múltiplos patrimónios, a Casa da Montanha, em resultado da recuperação de um exemplar da arquitetura vernacular, inserido no singular conjunto edificado do núcleo do Cerquido, lugar da freguesia de Estorãos. A intervenção realizada neste polo de diálogo da comunidade com os seus visitantes, que será um espaço multifuncional, acolhendo eventos promocionais e científicos, podendo também funcionar como unidade de alojamento, foi complementada com a criação de uma exposição fixa, localizada na Casa da Montanha, e com a implementação do percurso pedestre do Cerquido, que liga a Casa de Montanha à Quinta de Penteiros, contribuindo assim para uma maior dinamização das suas funções socioculturais e turísticas.

     

    • Custo total elegível: 99.189,08€
    • Comparticipação FEADER: 59.513,45€
  • Fundo Proteção de Recursos Hídricos (2011)

    As intervenções realizadas, financiadas pelo Fundo de Proteção de Recursos Hídricos (FPRH), foram direcionadas para a anulação/controlo/prevenção das situações de degradação/instabilidade verificadas das margens do rio Estorãos, em parte da extensão do troço do curso de água que atravessa a Área Protegida, seja por via de um conjunto de intervenções que envolveram medidas corretivas das margens, seja por via de ações que visam a prevenção de situações que permitiam identificar problemas de instabilidade num futuro próximo, nomedamente decorrentes da obstrução do rio com material vegetal oriundo das margens ou do transporte pelas águas do rio em situações de cheia.

     

    • Custo total elegível: 44.870,40€
    • Comparticipação FPRH: 44.870,40€
  • Fundo Proteção de Recursos Hídricos (2009)

    As intervenções realizadas, financiadas pelo Fundo de Proteção de Recursos Hídricos (FPRH), foram direcionadas para a requalificação, renaturalização e estabilização, por via de um conjunto de intervenções que envolveram medidas corretivas das margens, em vários pontos nas margens do rio Estorãos, a jusante da Área Protegida até a rio Lima, no sítio Rio Lima da Rede Natura 2000, procedendo ainda ao controlo e eliminação de espécies exóticas e ao repovoamento da galeria ripícola com espécies arbustivas e arbóreas autóctones.

     

    • Custo total elegível: 81.731,04€
    • Comparticipação FPRH: 81.731,04€
  • Projeto "Promoção da Biodiversidade da Área Protegida de Ponte de Lima - PROBIO" (2010-2011)

    O PROBIO, aprovado ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013, cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional no domínio da "Gestão de Ativa de Espaços Protegidos e Classificados", permitiu a concretização de um conjunto de ações (tabela 1), relacionadas com a promoção da biodiversidade da Área Protegida no duplo significado que pode ser atribuído ao termo promoção, ou seja, a divulgação das atividades, valores e informação inerentes ao espaço e à conservação da natureza e, a valorização das condições naturais e da gestão ativa dos valores naturais que ocorrem na Área Protegida.

    Tabela 1. Ações e Atividades do Projeto Promoção da Biodiversidade da Área Protegida de Ponte de Lima

    Ação
    Atividades

    Valorização e gestão ativa

    de espaços classificados

     

    1. Criação do Grupo de Acão Local

        > Contratação de dois Técnicos Superiores;

        > Contratação de uma assistente técnica;

        > Contratação de dois assistentes operacionais.

    2. Realização de estudos complementares

        > Identificação e localização de espécies e de grupos de espécies pouco conhecidas/estudadas na Área Protegida;

        > Identificação e localização de espécies invasoras.

    3. Implementação de um projeto-piloto de monitorização aquática

        > Aquisição de material de laboratório;

        > Aquisição de material de amostragem de campo.

    4. Operações de gestão do território e da biodiversidade

        > Realização ações de controlo de espécies não-indígenas invasoras;

        > Realização de operações de requalificação e/ou renaturalização de habitats.

     

    Divulgação e promoção

     

    1. Criação de uma exposição fixa para o Centro de Interpretação Ambiental da PPLBSPA

        > Criação de conteúdos;

        > Design e maquetização da exposição;

        > Produção da exposição.

    2. Criação de uma exposição móvel;

        > Aquisição de stand;

        > Aquisição de reboque;

        > Criação de conteúdos;

        > Design e maquetização da exposição;

        > Produção da exposição.

    3. Instalação de postos de abrigo/informação

        > Aquisição e instalação de postos de abrigo;

        > Criação de conteúdos;

        > Design e maquetização de painéis informativos;

        > Produção e aplicação dos painéis.

    4. Reedição do guia de visita da Área Protegida

    5. Realização de seminários

    6. Realização de ações de formação para operários semiqualificados (internos)

    7. Criação de uma plataforma de colaboração e transferência de informação entre Espaços Classificados

    8. Realização de workshops direcionados para o público jovem.

     

     

    • Custo total elegível: 240.423,49€
    • Comparticipação FEDER: 204.423,49€
  • Projeto "A Agro-silvo-pastorícia na Viabilidade dos Espaços Classificados - GESNATURA" (2009-2010)

    O GESNATURA, aprovado ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013, cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional no domínio da "Gestão de Ativa de Espaços Protegidos e Classificados", incluiu um conjunto de ações tendentes à recuperação e adaptação das atividades agro-silvo-pastoris, de acordo com a realidade do espaço, e à compatibilização das legítimas necessidades e anseios dos produtores com os objetivos de gestão do espaço, assim como ao desenvolvimento de esforços que resultem na tomada de consciência, por parte da sociedade em geral, para a importância que detém estas atividades, não só sob o ponto de vista dos produtos que delas resultam como, também, pelos serviços ambientais coletivos que se lhes encontram associados.

    Das ações concretizadas merecem destaque: i) a criação de um grupo de ação local – que, entre outras, realizou atividades relacionadas com a demonstração novas culturas e técnicas de produção, criou uma exposição sobre as atividades humanas desenvolvidas no espaço e os serviços ambientais que se lhes encontram associados e, editou um Manual de Boas Práticas Agro-Silvo-Pastoris para a área de intervenção -; ii) a aquisição, recuperação e apetrechamento (mobiliário e equipamento informático) das Antigas Instalações da Cooperativa Agrícola do Vale do Rio Estorãos; iii) a aquisição de equipamento de recolha de dados de campo (GPS e sonda multiparamétrica) e, iv) a aquisição e instalação de um cercado elétrico para a contenção de gado, na Área Protegida, alimentado por painéis solares fotovoltaicos com baterias para acumulação de energia.

     

    • Custo total elegível: 214.202,36€
    • Comparticipação FEDER: 160.651,77€
  • Projeto "Avaliação das Potencialidades dos Recursos Renováveis: Atlas dos Resíduos Florestais e Aplicação da Biomassa do Espaço Atlântico - BIORREG" (2005-2006)

    O BIORREG, aprovado no âmbito da Iniciativa Comunitária INTERREG III-B, proporcionou, em paralelo à realização de um conjunto de intervenções de gestão dos espaços florestais, a criação de condições para a realização de um estudo sobre o potencial energético dos resíduos florestais da Área Protegida e para o enquadramento e consequente criação de um sistema de recolha, transporte e de valorização energética de resíduos provenientes de limpezas florestais - através da aquisição de um trator, reboque e destroçador – com recurso à instalação de uma caldeira a biomassa para aquecimento do Centro de Interpretação Ambiental. Permitiu ainda cofinanciar os 12 postos de trabalho diretos criados pelo EPROGANOP durante o período de duração do projeto.

     

    • Custo total elegível: 170.000,00€
    • Comparticipação FEDER: 144.500,00€
  • Programa de Apoio à Vigilância Móvel das Florestas - Brigadas Autárquicas de Voluntários

    Implementação, em 2004 e 2005, do Programa de Apoio à Vigilância Móvel das Florestas - Brigadas Autárquicas de Voluntários, decorrente das candidaturas apresentadas à Direção Geral dos Recursos Florestais, como reforço das medidas de prevenção de incêndios florestais.

  • Programa Ocupação de Tempos Livres (2004 e 2005) e Voluntariado Jovem nas Florestas (2005)

    Implementação do Programa Ocupação de Tempos Livres (2004 e 2005) e Voluntariado Jovem nas Florestas (2005), através das candidaturas apresentadas ao Instituto Português da Juventude.

  • Projeto "Espaços Protegidos da Galiza e Norte de Portugal - EPROGANOP" (2004-2005)

    O EPROGANOP, aprovado no âmbito da Iniciativa Comunitária INTERREG III-A, proporcionou, para além de um conjunto de intervenções de melhoria das condições dos habitats silvo pastoris, a aquisição de terrenos, que integram a bolsa de terrenos da Área Protegida destinada única e exclusivamente à conservação, a criação e edição de material promocional sobre espaço e seus valores naturais. Permitiu ainda a criação e consequente cofinanciamento de 12 postos de trabalho diretos.

     

    • Custo total elegível: 120.000,00€
    • Comparticipação FEDER: 102.000,00€
  • Projeto " Conservação e Valorização do Património Natural da Área de Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d'Arcos" (2000-2004)

    O Programa Operacional do Ambiente (POA), cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, permitiu, através da aprovação do Projeto de Conservação e Valorização do Património Natural da Área de Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos, reunir as condições para a utilização racional dos recursos naturais existentes no espaço dando corpo à conservação, valorização e promoção do seu património natural.

    Este Projeto disponibilizou os recursos financeiros, cerca de 7.500.000,00€, necessários à materialização de conjunto de mediadas e consequentes ações (Tabela 1) que se pautaram pela articulação entre a conservação e a valorização dos recursos naturais existentes na área de intervenção e o seu aproveitamento/promoção enquanto grande potencialidade para o desenvolvimento da atividade turística/pedagógica relacionada com a natureza.

    Tabela 1. Concretização do Projeto de Conservação e Valorização do Património Natural da PPLBSPA
    Medidas
    Ações Concretizadas

    1. Elaboração e Implementação do Plano de Ordenamento e Gestão da PPLBSPA

    a) elaboração do Plano de Ordenamento e Gestão Prévio;

    b)   elaboração de 4 estudos no âmbito da conservação da natureza e atividades humanas.

    2. Construção de Infraestruturas e Equipamentos de apoio à PPLBSPA e respetivo apetrechamento

    a) construção e apetrechamento (equipamentos informáticos, mobiliários, etc.) do Centro de Interpretação Ambiental (inclui edifício de apoio, receção/sala polivalente, auditório e mediateca);

    b)   criação da rede de 5 percursos, dotados de postos e torres de observação e, 3 rotas histórico-culturais;

    c)  construção da zona de chegada e acessos;

    d)   reconstrução e adaptação da Casa da Quinta de Pentieiros para Centro de Acolhimento;

    e) reconstrução e adaptação das antigas Cavalariças da Quinta de Pentieiros para Albergue (capacidade para 40 camas);

    f)  reconstrução e adaptação da Azenha da Quinta de Pentieiros para Restaurante-Bar;

    g) reconstrução e adaptação de uma casa para Casa dos Vigilantes;

    h)   definição da área a funcionar como Parque de Campismo e construção das infraestruturas de apoio ao mesmo (receção, balneários, lavandaria, parque de merendas, iluminação, etc.);

    i)  construção do Armazém Agrícola, Estábulos, Cavalariças, Viveiros e Estufa;

    j)  criação dos Parques de Animais (zonas de pastoreio);

    k) aquisição de Máquinas e alfaias agrícolas;

    l)  realização de arranjos exteriores.

    3. Regularização do Sistema Hídrico

    a) elaboração de Estudos Hidráulicos;

    b)   elaboração de Estudo de Reabilitação das Margens do rio Estorãos e sua implementação prática.

    4. Aquisição de uma “Bolsa de Terrenos para Equipamentos e Conservação”

    a) aquisição de aproximadamente 40ha de terreno.

    5. Acão de Segurança e Manutenção da Paisagem Protegida

    a) aquisição de equipamento florestal;

    b)   aquisição de equipamento de comunicação;

    c)  implementação de dois sistemas de vídeo vigilância.

    6. Ações de Sensibilização e Divulgação

    a) criação do Site da PPLBSPA;

    b)   edição de livro, folhetos, guias, material didático;

    c) criação de Vídeo, DVD, CD-ROM;

    d)   criação de produtos de merchandising.

    7. Coordenação e Execução do Projeto

    a) foi constituída a equipa técnica da área protegida.

     

    • Custo total elegível: 7.500.000,00€
    • Comparticipação FEDER: 6.375.000,00€

 

Projetos de Âmbito Intermunicipal

> Com execução física e financeira
  • Projeto "Da Serra d'Arga à Foz do Âncora" (2017-2019)

    O Projeto “Da Serra D’Arga à Foz do Âncora, aprovado, pela CIM Alto Minho, ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2020, resulta de uma parceria entre os Municípios de Caminha, Viana do Castelo e Ponte de Lima.

    O Projeto deteve como objetivos:

    1. Atualizar o conhecimento sobre o território nas suas diferentes variáveis - paisagem, flora, fauna, geologia, património cultural e imaterial, serviços dos ecossistemas, dinâmica turística e socio economia -, integradas no conjunto do território gerido localmente pelos três Municípios;
    2. Promover turisticamente (turismo de natureza) o território e divulgar os seus valores naturais, culturais e paisagísticos;
    3. Promover a interpretação dos trilhos existentes no território, divulgando os valores florísticos, faunísticos, geológicos, paisagísticos e imateriais;
    4. Utilizar as tecnologias de informação para aumentar a visibilidade do território e da Região Norte e do seu património natural junto dos visitantes e nos mercados nacionais e internacionais;
    5. Desenvolver um Plano de Comunicação, que inclui a organização de iniciativas de comunicação, informação e sensibilização associadas à proteção e conservação do património natural da Serra d’Arga e programas e ações estratégicos de desenvolvimento do turismo de natureza;
    6. Associar o território a uma marca, que permitirá a definição dos objetivos a atingir pelo plano de comunicação, a segmentação dos públicos-alvo e, por fim, determinar as ações e instrumentos de comunicação a utilizar na abordagem, numa lógica de promoção e posicionamento no mercado;
    7. Reforçar a cooperação institucional entre a administração local, regional e central na gestão conjunta do território.

    No âmbito deste projeto coube à Área Protegida, em paralelo ao apoio prestado a todas as equipas técnicas envolvidas no mesmo, assegurar os procedimentos de aquisição da cartografia de base para o território da Serra D’Arga e para a elaboração do Plano de Comunicação para a Serra D’Arga, bem como a organização e desenvolvimento da sessão pública de divulgação da marca Serra D’Arga e dos produtos resultantes do Plano de Comunicação.

     

    • Custo total elegível (Global Município de Ponte de Lima): 99.189,08€
    • Comparticipação FEADER: 59.513,45€
  • Projeto "PRO|SEGUINDO" (2015-2016)

    O Projeto “Pro|seguindo”, aprovado, pela CIM Alto Minho, ao abrigo do ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2013-2017, visou aumentar o conhecimento técnico e científico acerca da rede fundamental de conservação da natureza da bacia hidrográfica do rio Lima, planeando intervenções, criando condições para o usufruto, consolidando a rede de percursos do território, de modo a contribuir quer para a gestão ativa e integrada dos espaços protegidos e classificados do território quer para o aumento da atratividade do mesmo.

    De entre as várias ações previstas, coube à Área Protegida a execução física e financeira da ação referente à implementação do troço de Ponte de Lima (38.7km) da Grande Rota de Montanha (119,7km no total, com início na Mata Nacional do Camarido e término no Parque de Campismo de Entre Ambos os Rios).

    No que concerne ao Município de Ponte de Lima, foram ainda executadas as seguintes intervenções: i) revitalização dos Quartéis de Santa Justa; ii) conetividade da Ecovia das Lagoas entre o Município de Ponte de Lima e de Viana do Castelo (ponte sobre o ribeiro da Silvareira) e; iii) parque de lazer de Labruja/Rendufe.

     

    • Custo total elegível (Global Município de Ponte de Lima): 632.829,39€
    • Comparticipação FEDER: 537.958,53€
  • Projeto “Visitação de Paisagens Biodiversas e Turismo Sustentável no Alto Minho - BIOLANDSCAPE" (2013-2014)

    O Projeto de Visitação de Paisagens Biodiversas e Turismo Sustentável no Alto Minho, aprovado, pela CIM Alto Minho, ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013, deteve como objetivo geral a promoção da valorização sustentável do turismo de natureza no território do Alto Minho através da prossecução de objetivos específicos: i)reconhecimento das paisagens e percursos sustentáveis; ii) valorização da rede de percursos verdes cicláveis e pedestres; iii) qualificação e capacitação das estruturas de receção e apoio à visitação; iv) valorização, gestão ativa e preservação da rede de biodiversidade presente no território.

    De entre as várias ações previstas, coube à Área Protegida a execução física e financeira: i) das intervenções realizadas no âmbito da requalificação, renaturalização e estabilização, por via de um conjunto de intervenções que envolveram medidas corretivas das margens, em vários pontos nas margens do rio Estorãos na da extensão do troço do curso de água que atravessa a Área Protegida, ii) da intervenção de controlo de invasoras lenhosas nas margens e ilhas do rio lima, localizadas no concelho de Ponte de Lima; iii) da intervenção de requalificação da extensão total dos passadiços da Área Protegida; iii) da criação de vídeos promocionais (Institucional, Escolas) da Área Protegida.

     

    • Custo total elegível (Global Município de Ponte de Lima): 185.204,75€
    • Comparticipação FEDER: 157.424,00€
  • Projeto "Plano de Valorização dos Serviços dos Ecossistemas da Região Biogeográfica Atlântica - VERBA" (2011-2012)

    O Plano de Valorização dos Serviços dois Ecossistemas da Região Biogeográfica Atlântica, aprovado, pela CIM Alto Minho, ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013, deteve como objetivos a avaliação e monitorização ecológica da bacia do Lima e Minho, assim como a definição das formas de intervenção a realizar no sentido de privilegiar a recomposição integrada doa habitats ribeirinhos.

    De entre as várias ações previstas, coube à Área Protegida a execução física e financeira das ações combate e controlo de espécies invasoras lenhosas, de arborização com espécies autóctones, de controlo da vegetação espontânea e de estabilização das galerias ripícolas de forma a criar condições para a manutenção das espécies vegetais e animais.

    No que concerne ao Município de Ponte de Lima, foram ainda executadas ações de realização de estudos complementares de execução, a criação de centro de divulgação ambiental, a construção de observatórios da fauna e flora, assim como passadiços de acesso e sinalização, e na sensibilização social quanto aos recursos hídricos.

     

    • Custo total elegível (Global Município de Ponte de Lima): 320.000,00€
    • Comparticipação FEDER: 280.500,00€

 

> Sem execução financeira
  • Programa Integrado de Educação para a Perservação e Conservação da Natureza e da Biodiversidade: Educar para a Sustentabilidade – NATURA 2000 (2017-2019)

    O Programa Integrado de Educação para a Preservação e Conservação da Natureza e da Biodiversidade: Educar para a Sustentabilidade – Natura 2000, aprovado, pela CIM Alto Minho, abrigo do Programa Operacional Regional do Programa Operacional Regional do Norte 2020, deteve como principal objetivo criar as necessárias condições para a disponibilização de uma oferta integrada de atividades de educação e sensibilização ambiental por parte dos Municípios do Alto Minho, garantindo, em paralelo, uma base de oferta comum a todos os municípios envolvidos que, por variadíssimas razões, se encontram, nesta matéria, em fases de maturidade bastante distintas.

    No âmbito deste projeto coube à Área Protegida: i) a reunião e envio de informação para a criação de um conjunto de 5 atividades, bem como a sua validação; ii) o envio de informação e posterior validação do painel dedicado ao Município de Ponte de Lima, sob o tema zonas húmidas, que integrou a exposição itinerante que irá percorrer, numa primeira fase, os equipamentos de educação ambiental dos municípios do Alto Minho e, numa segunda fase, previsivelmente, as instituições de ensino desses mesmos municípios; iii) envio de informação e posterior validação do capítulo, em agenda criada para o efeito, dedicado à promoção integrada das atividades de educação e sensibilização ambiental, incluindo ainda as atividades de interpretação dos valores naturais disponíveis nos vários Municípios do alto Minho; e iv) validação, com recurso à área projeto do Serviço Educativo da Área Protegida “Biodiversidade das Zonas Húmidas”, das fichas de atividades criadas ao abrigo do projeto.

  • Carta Europeia de Turismo Sustentável do Alto Minho – CETS (2014-2015)

    A Carta Europeia de Turismo Sustentável, que se aplica na grande maioria dos concelhos que integram o território do Alto Minho, cuja elaboração foi aprovada e cofinanciada ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013, é o resultado de todo um trabalho que permitiu apresentar, com sucesso, uma vez que este galardão foi atribuído ao território, a candidatura do Território à EUROPARC.

    No âmbito deste processo coube à Área Protegida, que integrou a equipa técnica para a elaboração da Carta, reunir, tratar e enviar a informação dispersa nos restantes serviços do Município de Ponte de Lima para efeitos de construção do documento de caraterização do território e de definição das ações a inscrever no Plano de Ação da Carta 2015-2019.

  • Projeto Ecominho (2012-2013)

    O Projeto Ecominho, aprovado, pela CIM Alto Minho, ao abrigo do ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013 e do POCTEP, incluiu, na globalidade o tratamento de um vasto conjunto de pontos de interesse existentes no Alto Minho. Daqui resultaria a recolha e produção de 70 vídeos, 70 modelos 3D, 50 visitas virtuais que, posteriormente, foram integrados numa plataforma web, juntamente com os conteúdos já desenvolvidos no âmbito de projetos anteriormente executados.

    De entre os vários pontos de interesse definidos no concelho de Ponte de Lima, coube à Área Protegida, recolher a informação e acompanhar e validar os trabalhos de criação de conteúdos para a Quinta de Pentieiros e Ecovia de Ponte de Lima.

 

Outros

  • Loja Interativa do Turismo de Ponte de Lima

    O Projeto associado à criação da Loja Interativa de Ponte de Lima, aprovado ao abrigo do Programa Operacional Regional do Norte 2020, desenvolvido numa pareceria entre o Município de Ponte de Lima e a Entidade Regional de Turismo do porto e Norte de Portugal, visou dispor um conjunto de valências tecnológicas, nomeadamente duas promotoras virtuais/totem, um ecrã panorâmico, uma mesa interativa multitouch, entre outros recursos, de apoio à atividade turística no concelho.

    No âmbito deste processo coube à Área Protegida assegurar o desenvolvimento de conteúdos para a totalidade dos percursos pedestres e ecovias do concelho de ponte de lima (18 no total) e consequente criação dos respetivos topoguias, bem como acompanhar os trabalhos de criação da aplicação móvel dos percursos pedestres e ecovias do concelho de ponte de lima e, por último, desenvolver os conteúdos para o guia de atividades de turismo ativo e cultural de Ponte de Lima.

  • Enoturismo MINHO IN II

    Na sequência da candidatura executada pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) “Enoturismo MINHO IN”, a CVRVV aprovou o projeto Enoturismo MINHO IN II, cujos objetivos passaram pela promoção da Rota dos Vinhos Verdes e dos seus aderentes, e pela a captação de novos públicos e monitorização da qualidade e serviços da Rota. Este projeto, essencial na estratégia de valorização do produto endógeno por via da ação de marketing e de promocional, relevando a importância desse papel para a atração de público profissional, operadores turísticos, mas também ao público em geral, permitirá captar turistas para a região do Minho.

    No âmbito deste processo coube à Área Protegida, criar as condições necessárias e acompanhar o processo de criação do percurso pedestre “Ecovia do Loureiro”.