Página Inicial
siga-nos:  

Para visualizar as imagens rotativas tem que instalar o leitor de flash, clique aqui.
Infinite Menus, Copyright 2006, OpenCube Inc. All Rights Reserved.
Agenda de Eventos
Categorias
01 de Dezembro a 31 de Dezembro
  Exposição do Centro de Interpretação Ambiental (CIA)
Todos os Eventos
Agenda Cultural

Página dos Espaços Ciência Divertida:


Zona Húmida de Importância Internacional


Prémio Novo Norte:


Aceda ao:



Rela
18 de Janeiro de 2011
Rela
Rela

As relas são pequenos anfíbios verde-alface que, apesar de serem comuns em diversas zonas húmidas do nosso País, acabam por passar despercebidas à maioria.

Nome Científico: 
Hyla arborea

Identificação e Características:
A Rela é um pequeno anuro (anfíbio sem cauda), geralmente com menos de 5 cm de comprimento. Possui olhos proeminentes e laterais; a íris é dourada com reticulado escuro. Tem membros compridos com 5 dedos nas patas posteriores e 4 nas anteriores. Os dedos terminam em discos adesivos (característica que lhes permite trepar, mesmo em superfícies escorregadias). A pele das relas é lisa e brilhante superiormente e mais granulosa ventralmente.

A coloração é em geral verde-vivo, mas podem aparecer indivíduos azulados, acinzentados ou acastanhados. Apresentam tipicamente uma linha escura lateral (bordada dorsalmente por uma linha branca ou amarelada) que começa no focinho, passa pelo olho e se estende até à região inguinal. Ventralmente são brancas ou acinzentadas. Os machos apresentam um saco vocal externo muito grande que, quando insuflado, chega a ser maior que o tamanho da cabeça. Quando o saco vocal não está insuflado, podem observar-se pregas cutâneas na garganta.

Os girinos desta espécie nunca ultrapassam os 5 cm de comprimento. Ao eclodirem medem entre 0,5 e 1 cm. Superiormente são esverdeados com manchas e reflexos prateados. A região muscular da cauda apresenta dorsalmente uma banda comprida mais escura.. As membranas caudais são translúcidas com pequenas manchas escuras.

Distribuição e Ocorrência:
Ocupa grande parte do centro da Europa. Na Península Ibérica está ausente na costa mediterrânica e Andaluzia. Em Portugal só não existe no Algarve e no interior do Alentejo.

Pode ser muito abundante em certos locais, no entanto as suas populações têm sofrido uma regressão notável.

Estatuto de Conservação:
Esta espécie faz parte do anexo II da Convenção de Berna e do anexo B-IV da Directiva Aves/Habitats (DL 140/99 de 24 de Abril). Em Portugal é considerada não ameaçada (NT).

Factores de Ameaça:
Os principais factores de ameaça para esta espécie são o desaparecimento progressivo das zonas húmidas, onde se concentram em número elevado para se reproduzir, a destruição ou alteração da vegetação das ribeiras e a utilização de insecticidas.

Habitat:
As relas preferem habitats ricos em vegetação e relativamente húmidos, encontrando-se em zonas encharcadas, pântanos, lagoas, caniçais, arrozais, prados e outros meios similares. Vivem tanto ao nível do mar como em zonas de montanha.

Alimentação:
A sua dieta inclui diversos tipos de invertebrados tais como insectos, aracnídeos e miriápodes. Os girinos são herbívoros e detritívoros.

Inimigos naturais:
Os adultos são predados por cobras de água e por várias aves como as garças e as corujas. As larvas são predadas sobretudo por insectos aquáticos carnívoros e por aves aquáticas.

Reprodução:
Em Portugal a época de reprodução ocorre, em geral, entre Abril e Junho. Os machos são os primeiros a chegar aos locais de reprodução. Atraem a fêmea através de um chamamento e abraçam-nas pelas costas (amplexo axilar). O amplexo pode durar até 30 horas. A fêmea deposita cerca de 1000 ovos em cacho. Como locais de postura, as relas escolhem zonas com água parada ou com pouca corrente e com alguma vegetação aquática.

Movimentos:
Têm hábitos trepadores, encontrando-se frequentemente em ramos, folhas de árvores ou arbustos. Realizam migrações para os charcos, na época da reprodução. Podem dispersar-se muito.

Actividade:
Embora sejam predominantemente crepusculares e nocturnas, também podem observar-se indivíduos activos durante o dia, sobretudo após uma forte chuvada, uma tempestade ou com tempo nublado. No inverno hibernam por um período de tempo variável.

Na Paisagem Protegida:

É uma espécie muito comum na Paisagem Protegida, apesar de ser mais fáceis de ouvir do que observar. O seu canto assemelha-se a um "Crrruuáááá" prolongado.

Fonte: Naturlink.

Palavras chaves
voltar
Imprimir Imprimir Enviar Enviar Partilhar
topo


Avisos
Categorias
18 de Novembro
  Governo prolonga período crítico de incêndios até 23 de novembro
16 de Novembro
  Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola
07 de Novembro
  Governo volta a prorrogar período crítico de incêndios
07 de Novembro
  Proibição de produção e comercialização de plantas de citrinos no interior da zona demarcada
03 de Outubro
  Freguesia de Estorãos - Obrigatoriedade de poda e tratamento de citrinos infestados com a psila africana dos citrinos, Trioza erytreae (Del Guercio)
Todos os Avisos
Notícias do Município
Inauguração da exposição ?Casas com história ? Vinhos de Excelência: Quinta de Paços e Casa do Capitão-mor? | 15 de dezembro de 2017 às 18h00
publicada em: 12.12.2017

Estará patente no Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde, a partir do dia 15 de dezembro de 2017 até 30 de maio de 2018, a exposição temporária Casas com história – Vinhos de Excelência: Quinta de Paços e Casa do Capitão-mor.

Nesta exposição o destaque vai para os vinhos produzidos há já 500 anos na Quinta de Paços, sita em Barcelos, e na Casa do Capitão-mor, em Monção, e que têm vindo a somar diversos prémios de grande prestígio desde 1877, altura em que o vinho da Casa de Paços recebeu, em Filadélfia, um dos primeiros prémios internacionais atribuído a vinhos da Região dos Vinhos Verdes.

Atualmente a família e as propriedades estão representadas por D. Maria do Carmo Azevedo da Fonseca Matos Graça e pelo Dr. José Bento da Silva Ramos.

Trata-se apenas da primeira edição de um conjunto de exposições que visam dar a conhecer as casas e quintas cuja história esteve desde sempre ligada à produção de Vinho Verde de excelência.

A inauguração, que terá lugar no dia 15 de dezembro de 2017, às 18h00, no Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde, culminará com uma prova comentada.

ULSAM promove recolha de sangue em Ponte de Lima
publicada em: 12.12.2017

O Serviço de Imunohemoterapia da Unidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE (ULSAM), promove sexta-feira, dia 22 de dezembro, uma campanha de recolha de sangue. A ação acontece na Unidade Local de Saúde de Ponte de Lima, a partir das 9h30, e visa garantir à ULSAM e a todos os residentes no distrito de Viana do Castelo o apoio e a auto suficiência em transfusões.

Podem doar sangue todas as pessoas com bom estado de saúde, com hábitos de vida saudáveis, peso igual ou superior a 50 quilos e idade compreendida entre os 18 e 65 anos. Para uma primeira dádiva o limite de idade é aos 60 anos.

A ULSAM promove estas ações por todo o distrito ao longo do ano, o que tem permitido um stock de sangue suficiente para as necessidades dos utentes do distrito.

Consulte:

Folheto informativo

Conselhos gerais

VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra) | Abertura, dia 8 de dezembro | Pavilhão de Feiras e Exposições ? Ponte de Lima
publicada em: 07.12.2017

Considerada como uma das iguarias mais apreciadas e procuradas da gastronomia limiana, o Município de Ponte de Lima organiza mais uma edição do certame dedicado ao bacalhau, por forma e dinamizar e impulsionar um dos elementos chave da cozinha tradicional da região. Seja na forma de petisco ou numa elaborada refeição, o bacalhau é rei e senhor nas mesas de todos os limianos.

Presença obrigatória nas famosas tasquinhas d’outrora da feira quinzenal é ainda hoje um dos produtos mais procurados e mais comercializados da ‘Feira de Ponte’, por todos aqueles que a ela se dirigem para feirar.

Chegada a época natalícia, o VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra), ganha maior destaque pela elevada procura por parte do público e, como consequência, pela cada vez maior oferta por parte dos comerciantes. Quem visitar o festival pode ainda encontrar mel, sidra, licores, chocolates, bolos e outras especialidades tipicamente limianas e que bem representam a riqueza da gastronomia da região.

O VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra) dá as boas vindas a dezembro e antecipa o Natal, com muita animação e sabor desde showcookings, provas de degustação, música popular e fados de Coimbra. Destaque para a apresentação, na sexta-feira, dia 08, da peça de artesanato “Vaquinha Minhota” e do lançamento do conto infantil “Rosália, a Princesa do Lima”, da autoria da artesã limiana, Nélia Saraiva. No dia 09, sábado, destaque para a primeira edição do ‘Concurso do Bolo Rei de Ponte de Lima’ e para o desfile “Há Moda em Ponte de Lima”, pela Associação Empresarial de Ponte de Lima. No dia 10, domingo e último dia do festival, o destaque vai para as provas de degustação, nomeadamente de Sidra, produto em franco crescimento em Ponte de Lima.

O Festival do Bacalhau e Doçaria (Mel e Sidra) realiza-se de 08 a 10 de dezembro, no Pavilhão de Feiras e Exposições da Expolima, em Ponte de Lima, e é um evento a não perder, destinado a toda a família.

A 7.ª edição do Festival do Bacalhau abre ao público esta sexta-feira, às 15 horas, antecedendo a inauguração oficial, agendada para as 18 horas.


Notícias via e-mail:

Coloque o seu email:

Copyright © 2016. Município de Ponte de Lima. Todos os direitos reservados. : Política de Privacidade e Segurança . Ficha Técnica :