Página Inicial
siga-nos:  

Para visualizar as imagens rotativas tem que instalar o leitor de flash, clique aqui.
Infinite Menus, Copyright 2006, OpenCube Inc. All Rights Reserved.
categorias Categorias
Anfíbios
Aves
Mamíferos
Plantas
Répteis
Agenda de Eventos
Categorias
01 de Abril a 30 de Abril
  Exposição do Centro de Interpretação Ambiental (CIA)
03 de Junho a 04 de Junho
  XI Acampamento Natureza e Mundo Rural
Todos os Eventos
Agenda Cultural

Página dos Espaços Ciência Divertida:


Zona Húmida de Importância Internacional


Prémio Novo Norte:


Aceda ao:



Lontra
16 de Janeiro de 2015
Lontra
Lontra

A Lontra (Lutra lutra) é um carnívoro pertencente à família Mustelidae e à subfamília Lutrinae. Com características típicas dos mustelídeos, apresenta algumas particularidades resultantes do seu modo de vida semi-aquático. Assim, tem um corpo fusiforme, com membros curtos e uma cauda longa (de comprimento superior a mais de metade do tamanho do corpo). O pescoço, embora largo, é pequeno e tem a cabeça achatada e larga, com orelhas pequenas. Os olhos são pequenos e encontram-se deslocados para a parte superior da cabeça. A sua pelagem é castanha-escura, ganhando um tom mais claro na região do ventre.

Como principais adaptações à vida aquática, a lontra apresenta fossas nasais valvulares que se fecham quando submerge, o mesmo acontecendo com as orelhas. O cristalino sofre uma distorção que permite uma visão perfeita debaixo de água. Para ajudar à captura das presas, o focinho possui vibrissas sensitivas. As patas são palmadas, as garras são pequenas e não retráteis, estando os cinco dedos unidos por uma membrana interdigital. As lontras têm o mesmo peso molhadas ou secas. Tal facto deve-se à eficaz proteção das duas camadas de pelos. A primeira, interna, é impermeável e densa, com pelos de 10 a 15mm que retêm bolhas de ar funcionando como isolamento térmico. A segunda,  externa, tem pelos que podem alcançar os 25 mm sendo também impermeável. A cauda, muito musculada, é achatada dorsoventralmente na região intermédia e afunilada na extremidade. É útil na deslocação dentro de água funcionando como leme.

Distribuição e Abundância:
A lontra pode ser encontrada desde a costa ocidental da Irlanda e de Portugal até ao Japão, e desde as zonas árticas da Finlândia até à Indonésia e às zonas sub-saharianas da África do Norte. No entanto, em Portugal é quase um caso isolado na distribuição e abundância da lontra, pois apresenta uma população regularmente distribuída pelo território e numa situação de relativa abundância, sendo das poucas populações viáveis.

Estatuto de Conservação:
A lontra está inserida na Lista dos Mamíferos Raros e Ameaçados do Conselho da Europa, no Anexo II da Convenção de Berna e no Anexo I da Convenção de CITES. A União Internacional para a Conservação da Natureza e o Livro Vermelho dos Vertebrados de Espanha consideram-na uma espécie Vulnerável. Em Portugal, o Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal atribui-lhe o estatuto de Insuficientemente Conhecida.

Os principais fatores de ameaça para a lontra são a deterioração dos habitats aquáticos e do meio circundante, a caça ilegal, a perturbação pelo homem, a mortalidade acidental, como afogamentos em redes de pesca e atropelamentos.

Habitat:
É uma espécie intimamente associada às zonas húmidas. Todos os locais com água permanente e não muito poluída, que estejam relativamente livres de perturbação humana, são capazes de albergar lontras. Assim, esta espécie pode ser encontrada nas águas continentais (rios, ribeiras, lagoas, albufeiras, paúis, etc), em águas salobras (estuários) e no litoral marinho. São ainda referidos como determinantes para a lontra, a presença de um coberto vegetal que forneça abrigo e a disponibilidade de alimento.

Dieta:
É uma espécie essencialmente piscívora, mas também se alimenta de artrópodes, répteis, micromamíferos e aves. A diversidade de presas consumidas aumenta no outono e no inverno. A lontra é um animal oportunista, consumindo espécies exóticas (alguns peixes e lagostins).

Reprodução:
As fêmeas são poliéstricas, podendo ter crias ao longo de todo o ano. Tal como em outros mustelídeos, como o Texugo, a Marta ou a Fuínha, também a Lontra pode ter uma implantação diferida. Este processo implica que os óvulos da fêmea, ao serem fecundados, sejam implantados na parede do útero, no entanto, apenas se desenvolvem meses mais tarde. Os nascimentos ocorrem na época do ano mais favorável para o efeito, a primavera. O período de gestação é de aproximadamente 63 dias, nascendo entre 1 a 5 crias (a média são 2 a 3). As crias permanecem na toca 8 a 10 semanas, seguindo-se os primeiros passos no mundo exterior. Permanecem junto da mãe cerca de 13 a 14 meses, começando depois uma vida independente.

Curiosidades:
Os machos adultos defendem o seu território, marcado por questões de alimentação e reprodução.

A lontra é um dos animais mais brincalhões da nossa fauna. Os seus jogos, que podem ter lugar dentro ou fora de água, chegam a incluir o uso de objetos (como frutos, paus ou pedras), ou o escorregar na neve ou em encostas enlameadas.

Na Paisagem Protegida:

Esta espécie não é de fácil observação na Área Protegida, uma vez que tem hábitos predominantemente noturnos. Mais fáceis de detetar, podendo servir até de orientação para a sua observação, são os indícios de presença da lontra - pegadas e excrementos. no entanto, é possível observar com alguma frequência as suas pegadas e excrementos.

Fonte: Adaptado de Naturlink.

 


Palavras chaves
voltar
Imprimir Imprimir Enviar Enviar Partilhar
topo


Avisos
Categorias
19 de Abril
  Freguesia de Estorãos - Obrigatoriedade de poda e tratamento de citrinos infestados com a psila africana dos citrinos, Trioza erytreae (Del Guercio)
22 de Março
  Candidaturas ao Pedido Único (PU)
28 de Novembro
  Inspeção Obrigatória dos Pulverizadores para Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos
24 de Novembro
  Limpeza de cursos de água
Todos os Avisos
Notícias do Município
Romance histórico sobre André Soares apresentado na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima
publicada em: 26.04.2017

A biografia romanceada "Viver com André Soares", da autoria de Francisco Vieira da Silva, foi lançada no passado sábado, 22 de abril, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

A sessão contou com a participação do investigador e escritor Ernesto Português, que revisitou as anteriores produções literárias de Francisco Vieira da Silva - mormente o título de estreia “Estamos pobres! O grito de silêncio de Braga em 1930” – para destacar o rigor investigativo e a capacidade criativa do autor que se debruça agora sobre os principais momentos da vida e obra de um dos maiores vultos do rococó nacional no período setecentista. Ernesto Português destacou algumas das fontes que serviram de sustentação teórica ao terceiro romance histórico de Francisco Vieira da Silva – com particular incidência para o Arquivo Distrital de Braga, a Biblioteca Pública de Braga e a tese de doutoramento de Eduardo Pires de Oliveira – e traçou um retrato biográfico de André Soares, cujo trabalho artístico de génese autodidata se encontra espalhado pelo Norte de Portugal, sendo um dos locais de referência a Capela de S. Bartolomeu da Casa da Freiria, em Arcozelo, Ponte de Lima.

Depois de dois momentos musicais a cargo da Academia Fernandes Fão de Ponte de Lima, Francisco Vieira da Silva explicou que o livro, longe de constituir um tratado sobre André Soares, pretende ser o "desfiar das facetas" de um ilustre desenhador e arquiteto bracarense, cujo legado foi reavivado em 1973 pelo norte-americano Robert Smith, depois de largos anos de obscurantismo. Em antecipação às comemorações dos 300 anos sobre o nascimento de André Soares, que se assinalam em 2020, o autor sugeriu a organização de um congresso dedicado ao artista e a criação de um roteiro intermunicipal que permita ao grande público o contacto real com as obras do arquiteto do Minho.

A sessão de lançamento de "Viver com André Soares" contou com as presenças do Dr. Paulo Barreiro de Sousa, vereador com o pelouro da Educação do Município de Ponte de Lima, e de Conceição Gonçalves, representante da Chiado Editora.

Requalificação das Instalações da Secção de Freixo dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima Inauguração ? 25 de abril ? 11 horas com a presença do Secretário de Estado da Administração Interna
publicada em: 24.04.2017
O Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, inaugura amanhã, terça-feira, 25 de abril, às 11 horas a “Requalificação das Instalações da Secção de Freixo dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima”.

O Município de Ponte de Lima e a junta de freguesia de Ardegão, Freixo e Mato, ao abrigo do leque de empreendimentos transversais ao plano da requalificação e da beneficiação de infraestruturas, apoiaram a obra da responsabilidade dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima.

Depois de analisada a configuração e a morfologia do terreno, a empreitada foi viabilizada, tendo em vista a agilização da resposta do quartel, e consequente eficácia de cobertura do território.

Neste contexto, “funcionalidade” foi a palavra de ordem, durante o processo de modernização e de melhoria dos serviços de proteção civil e socorro. Estabeleceu-se simultaneamente como propósito, a valorização e a dignificação dos bombeiros, através da criação de melhores condições de trabalho.

Sendo um investimento no valor de 318.211,59€+Iva, a obra foi cofinanciada pelo POSEUR - Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos - Portugal 2020 e pelo Fundo de Coesão da União Europeia.

O Município de Ponte de Lima convida o vosso Órgão de Comunicação Social a comparecer a esta inauguração, na próxima terça-feira, dia 25 de abril, às 11 horas:
Quartel da Seção de Freixo dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima
Lugar de Figueiras
FREIXO, 4990 PONTE DE LIMA
41°39'23.30"N; 8°35'4.73"W

Convite

Assinatura do Auto de Consignação da Empreitada de Beneficiação e Ampliação do Edifício da Bancada do Campo Municipal do Cruzeiro
publicada em: 24.04.2017
O Município investe quase 400 mil euros na Ampliação e Requalificação do espaço.

A política de beneficiação e reparação dos equipamentos desportivos municipais tem vindo a distinguir-se de entre um leque de múltiplas outras atribuições e iniciativas, resultantes do espírito empreendedor do sistema político vigente.

Foi neste contexto que o Executivo Municipal adjudicou a empreitada de “Beneficiação e Ampliação do Edifício da Bancada do Campo Municipal do Cruzeiro”.

Num investimento que ronda os 400 mil euros, a intervenção visa a maximização efetiva do caráter funcional do espaço, assim como numa identidade visual mais atual.

A remodelação deste equipamento foi motivada basilarmente pela renovação de balneários, que se revelam agora providos de um compartimento comum de dez duches, e de um núcleo de instalações sanitárias completamente adaptadas às necessidades dos atletas, com capacidade superior a 24 pessoas. Esta remodelação abrange os três blocos de balneários de atletas, e os dois blocos de balneários de árbitros/treinadores, que contam agora com valências similares.

A intervenção incluirá ainda a demolição e reconstrução dos edifícios das bilheteiras e arrecadação de material desportivo, ambos situados na entrada principal deste equipamento desportivo. O espaço contará com outras valências, tais como sala de massagens, gabinete médico, lavandaria, bar de apoio e secretaria.
Com isolamento térmico em poliestireno, alvenaria de tijolo cerâmico vazado, revestimentos cerâmicos nas áreas suscetíveis a humidades, e cobertura isolada termicamente com placas de poliestireno extrudido assentes sobre um complexo impermeabilizante, nenhum detalhe foi deixado ao acaso, na área que foi ampliada em 133m2, perfazendo agora no seu total, mais de 400m2.

A assinatura do Auto de Consignação da Bancada do Campo Municipal do Cruzeiro realizou-se no dia 20 de abril, ao final da tarde, no Campo do Cruzeiro, à qual compareceram os Vereadores Vasco Ferraz, Paulo Sousa, o Vice-Presidente, Gaspar Martins e o Presidente da Câmara Municipal, Eng.º Victor Mendes, que reforçou a importância deste tipo de diligências, considerando que “estas instalações já não estão de acordo com as necessidades atuais. Com esta obra pretendemos melhorar as infraestruturas desportivas do concelho, como forma de dinamizar a pratica desportiva “disse.
Por sua vez, o Presidente da Direção da Comissão Administrativa da Associação Desportiva Os Limianos, Domingos de Almeida Mourão do Vale, agradeceu à Câmara Municipal todo o apoio, em especial esta obra “essencial para o Grupo Desportivo Os Limianos”.

Notícias via e-mail:

Coloque o seu email:

Copyright © 2016. Município de Ponte de Lima. Todos os direitos reservados. : Política de Privacidade e Segurança . Ficha Técnica :